Manifesto Aplicado do Neo-Surrealismo Céu Cinzento O Abominável Livro das Neves

Anti-Direita Portuguesa



segunda-feira, março 31, 2008


    domingo, março 30, 2008


    «O Dr. Martin Luther King, Jr. (15 de janeiro de 1929, Atlanta, Geórgia – 4 de abril de 1968, Memphis, Tennessee) foi um pastor e ativista político estadunidense. Pertencente à Igreja Batista, tornou-se um dos mais importantes líderes do ativismo pelos direitos civis (para negros e mulheres, principalmente) nos Estados Unidos e no mundo, através de uma campanha de não-violência e de amor para com o próximo. Se tornou a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz em 1964, pouco antes de seu assassinato. Seu discurso mais famoso e lembrado é "Eu Tenho Um Sonho".»

    «Forty years after the shot rang out, race fears still haunt the US
    Life has changed beyond recognition for many Americans since an assassin's bullet killed Martin Luther King in 1968. Yet despite the rise of a black middle class and Barack Obama's challenge for the White House, the racial divide still exists - and for an urban underclass, things have only got worse. Paul Harris reports from Memphis
    • Paul Harris in Memphis
    • The Observer,
    • Sunday March 30 2008
    • Article history
    About this article
    This article appeared in the Observer on Sunday March 30 2008 on p30 of the Focus section. It was last updated at 00:27 on March 30 2008.
    Room 306 at the Lorraine Motel in downtown Memphis, Tennessee, looks frozen in time. The sheets of the beds are rumpled, undrunk coffee stews in cheap cups, a meal seems half-eaten. It is a re-creation of the room as it was at 6.01pm on 4 April, 1968. That was the moment when, on the balcony outside, the room's most famous guest, Martin Luther King, was shot dead.
    King died four decades ago at the end of an era of civil rights victories that ended racial segregation and won black Americans the vote. It was a struggle that finally cost him his life, felled at the Lorraine by a white assassin's bullet from across the street.
    But though Room 306 - preserved as part of a museum - is unchanged from that bloody day 40 years ago, black America itself is almost unrecognisable from King's time. It has been transformed, both for the better and for the worse. Some positive developments would have been unimaginable for King. Senator Barack Obama is running for President and could become the first black person to hold the job. Black politicians hold top offices in cities and states across the continent. They are buoyed by a large black middle class every bit as wealthy, suburban and professional as its white counterpart.
    Yet, since 1968, much of black America has also been beset by disaster. A vast underclass inhabits America's ghettos, mired in joblessness, drugs and gang violence. In the inner cities half of all black males do not finish high school. Six in 10 of those will end up in jail by the time they reach their mid-thirties. These people grow up in an environment often more segregated, more hopeless and more dangerous than the Jim Crow era of the Deep South.
    It is perhaps one of the greatest paradoxes facing modern American black leaders such as Charles Steele, now president of the Southern Christian Leadership Conference, which King founded and used as his tool to bring civil rights to America. 'If Dr King was alive now, he would be distressed and disappointed in America,' Steele said. 'America is still racist to a large degree. More so perhaps. It's subliminal and embedded in the system.'
    That is pretty much the view of Thelma Townsend, 68, who should be retired but still works as a nurse in the suburb of Orange Mound. The suburb is a landmark in Memphis, built for black Americans more than 100 years ago on the 5,000-acre site of a slave plantation. Once it rivalled New York's Harlem as a centre of black culture and economic power. But now it has been hit hard by drugs and gangs and unemployment. Many houses are dilapidated and abandoned. Townsend snorts in disgust at the past 40 years in black America. 'It ain't changed for the better that I can see,' she said. 'Drugs are rampant, so killings are rampant. If anything, it's got worse around here.'
    This is the bad side of black America since King died, and it exists in cities across the country. In Los Angeles, New York, Chicago, Washington, Kansas City, St Louis and many other places, once proud black neighbourhoods have fallen prey to the ravages of crime and drugs. Even King's hometown neighbourhood of Auburn Street in Atlanta is a wreck and shadow of its former self. Orange Mound and other black Memphis inner-city suburbs are typical. Gangs with such names as Vice Lords and the Gangster Disciples boss the local drugs trade. Killings and shootings are common. Drug addicts seem more common than jobs.
    The roots of this decay partly lie in the fatal shot that felled King. His murder sparked race riots in 125 cities that left 46 people dead, 2,600 injured and 21,000 arrested. Entire black and inner- city neighbourhoods were burnt down overnight. Many never recovered. The violence quickened the process of 'white flight', destroying the tax base of many city cores.
    At the same time new civil rights laws allowed the black middle class to flee too. What was left behind became the underclass, deeply vulnerable to the wave of drugs such as crack and heroin that invaded in the Seventies and Eighties and hit by the decline in manual jobs as America's manufacturing industry disappeared overseas.
    Statistics indicate that things are getting worse. More black people are being jailed than a decade ago. Only 31 per cent of black children born to middle-class parents earn more than their parents, compared with 68 per cent of white children. More than half of black workers are stuck in low-paid jobs.
    Many experts think there is little prospect of the underclass's plight changing at all. 'The outlook is very bleak,' said Professor Jerald Podair, an expert on civil rights history at Lawrence University. near Appleton, Wisconsin.
    Yet that is also far from the whole picture. Obama's run for the presidency has energised even those with little hope. 'Obama does make me proud,' said Townsend. But it also shows the successes of the black middle class, fulfilling King's dream of black Americans taking their rightful place in the nation.
    For Obama is far from alone in seeking high office. New York state and Massachusetts boast black governors despite both states being in New England, far away from traditionally southern centres of black population. Big cities such as Atlanta, Washington, Philadelphia and Newark have black mayors who have based their appeal on the same sort of 'post-racial' consensus that is powering Obama's campaign.
    At the same time, the successes of such mayors and governors have undercut the traditional power of 'old style' black leaders such as the Reverend Jesse Jackson and the Reverend Al Sharpton, whose roots lay in black churches. Now modern black politicians are perhaps more at home in the boardroom than the pulpit. They self-consciously - and successfully - woo white voters as much as they appeal to their black base.
    Now Obama is trying to make that case on a national scale. Though recent weeks have seen Hillary Clinton's supporters and Republicans try to raise race as an issue, Obama has fought back with a bold speech challenging America to have a frank and open debate about race. 'Race is the question in America that has still never really been asked,' said Podair.
    Not everyone is ignoring it, though. Wendi Thomas, 36, is asking the race question in Memphis. She is a local black columnist on the city's Commercial Appeal newspaper who deals with racial issues. Now she is setting up a project called Common Ground to encourage Memphis citizens of all races to come together at weekly meetings and talk frankly about the race issues that bother them. At the end of it the 'graduates' will be encouraged to go out into the rest of the city and break down racial boundaries. Her first pilot scheme with 200 places has rapidly filled up and will begin meeting on 24 April. 'I just wanted to actually do something, rather than just write about it,' Thomas said.
    Memphis is a city much in need of such a project. The city is split almost 50-50 between black and white. Yet it feels like a segregated place whose two halves rarely meet, maintaining their own neighbourhoods, schools and parks. It is a city where the issue of race lies constantly under the surface, boiling below a patina of tourist-friendly Southern charm. 'Race underlies everything in this community. We need to have these discussions, even though they are painful and messy,' Thomas said.
    That is true. The fact remains that even middle-class black people and whites have fundamentally different perceptions of America. While many whites are flocking to Obama's campaign on the base of its post-racial appeal, that is not how many blacks see it. As he sweeps up more than 90 per cent of the black vote in the Democratic race, there is a clear feeling of racial pride in his candidacy. Indeed fervour and hope for Obama have become a keystone of black America in 2008. 'It is unreal. It is surreal. I hate to hope too much. But I genuinely think that King would be bursting with pride,' said Thomas.
    But there are many other points on which black and white Americans differ. Many whites were outraged when Obama's former pastor, the Reverend Jeremiah Wright, said the 9/11 attacks on New York and Washington were 'chickens coming home to roost'. They saw his words as conspiracy-minded, unpatriotic and anti-white.
    But many blacks reacted with a collective shrug, pointing out that much of what Wright said - even some outrageous claims about government conspiracies - were fairly common in some urban black churches and always had been.
    The news would have come as less of a shock if black and white Americans (both of which groups are deeply religious) worshipped together. But they do not. Thomas, a Memphis native, has spent years looking for a racially mixed church to go to each Sunday. 'I still have not found one,' she said. That sort of de facto segregation has kept black and white America very much apart. After all, both have had such a different experience of the country. With the black middle class there is still a certain ambivalence about America; about whether they have truly been accepted. And there is a lot of evidence to say they have not been,' said Podair.
    Ironically, one of the main reasons blacks and whites may start addressing race is in the growth of the Hispanic community in America. Hispanics are now America's largest ethnic minority, overtaking blacks, and numbering about 44 million people. They have pioneered communities all over the US, fundamentally changing the dynamics of race in a country that has long seen itself in terms of literal black and white.
    Even in Memphis the issue has begun to appear. It is thought the number of Hispanics in the city could top 50,000 people. One in 10 babies in the city born last year was Hispanic. There is a Spanish-language local newspaper, Spanish radio stations and churches offer Spanish-language services. If black and white Americans really want to have a discussion about race, some think they need to hurry up and start talking before the conversation changes entirely.
    For Steele, the man who now wears King's old mantle as head of the Southern Christian Leadership Conference, such concerns are for the future. On Friday, he, the leadership conference and dozens of other groups will be holding ceremonies to remember King. Though many whites despised or feared King when he was alive, he is now a national American hero.
    Those memorials will now take place against the backdrop of Obama's bid for the White House and it might be tempting to see a straight line linking the two. But for Steele many Americans were missing one of the most overlooked points of King's career. The fact is, by 1968, King himself had moved on from purely racial issues. Yet again he was ahead of his time. His final campaigns were focused on fighting poverty and labour disputes. He came to Memphis in support of striking workers.
    'He was killed in Memphis because he had started to focus on poor folks, regardless of their colour,' Steele said. That was 40 years ago. As Obama's campaign changes the American political landscape, it might be wise to remember that race is not the only controversial issue that mainstream politics still tends to shun. There is the thorny issue of class, too.
    'If you thought having a talk about race was difficult in America, then having one about class is even harder,' said Podair. Yet 40 years ago King tried to start that debate as well. A bullet cut short his ambitions. Room 306 at the Lorraine was not the only thing his death left frozen in time.»

    (In «The Guardian/ The Observer»)

    sábado, março 29, 2008


    Uma aluna do 9º ano de uma Escola do Porto foi penalizada com transferência compulsiva por ter agredido uma professora, na sala de aula, por esta lhe ter tirado o telemóvel.
    Foi também penalizado com transferência compulsiva um outro aluno que filmou a cena com um telemóvel.

    O próprio presidente da III República se mostrou preocupado com o caso.

    O Ministério Público está a investigar o caso.
    A professora ofendida apresentou queixa em Tribunal contra quem a humilhou e ofendeu.

    sexta-feira, março 28, 2008


    A rebelião no Tibete ocorreu quando se ultimavam os preparativos para os Jogos Olímpicos na China, em Pequim 2008, ganhando deste modo mais visibilidade internacional.

    «Os Jogos Olímpicos compõem um evento desportivo que ocorre a cada quatro anos, após o período da Olimpíada, e que reúne atletas de quase todos os países do mundo, para competirem em várias categorias de desporto como, por exemplo, o Atletismo, Natação ou a Ginástica. Aos três primeiros classificados de cada prova, são atribuídas medalhas de ouro (primeiro classificado), prata (segundo classificado) e bronze (terceiro classificado). O período decorrido entre duas edições dos Jogos Olímpicos chama-se Olimpíada.

    Os primeiros Jogos realizavam-se na Grécia Antiga, há mais de 2.700 a.C, como uma importante celebração e tributo aos deuses; mas com a emergência do cristianismo no Império Romano e suas ideologias, os cultos pagãos e tudo a eles inerente, começaram a ser exterminados e, entre 393 d.C e 394 d.C, o imperador Teodósio X termina com os jogos de origem grega.

    Porém, em 1896, um aristocrata francês, Barão de Coubertin, recuperou os Jogos tentando reavivar o espírito das primeiras Olimpíadas, que passaram a ser realizadas de quatro em quatro anos desde então (como a tradição grega), tendo sido interrompidos apenas pelas duas Grandes Guerras Mundiais.

    Inicialmente, os Jogos eram disputados apenas por atletas amadores. Entretanto, no fim do século XX, a competição foi aberta a atletas profissionais e crianças

    Dada a importância e a visibilidade dos Jogos para o mundo, estes têm também, nos últimos anos, sido usados como espaço para confrontos políticos e reivindicações, de que são os piores exemplos o massacre de Munique em 1972, em que membros da comitiva israelense foram feitos reféns por extremistas palestinos (ou palestinianos) e os boicotes durante a Guerra Fria, aos Jogos de 1980 e 1984, pelo bloco de países soviéticos e pelos Estados Unidos, respectivamente, e também o atentado à bomba ocorrido em Atlanta em 1996.

    No entanto, num exemplo de aproximação e reconciliação entre os povos, de que os Jogos Olímpicos pretendem ser símbolo, a Coréia do Norte e a Coréia do Sul, participaram nos Jogos de Sydney em 2000 e de Atenas em 2004 desfilaram nas cerimônias sob uma única bandeira e há negociações em estado avançado que as duas participem a partir de 2008 em uma única delegação.»

    quinta-feira, março 27, 2008


    Os chineses no Tibete têm dificuldade em distinguir manifestações pacíficas de manifestações violentas.

    O respeito pela Condição Humana implica respeito pelos Direitos Humanos.

    A União Europeia, a Noruega e a Suiça têm a maior obrigação no respeito pelos Direitos Humanos, visto que foi na França que eles foram sistematizados primeiro.

    A seguir os Estados Unidos deviam ser também um exemplo de respeito pelos Direitos Humanos. Para poderem exigir aos chineses, aos russos e a outros povos o respeito pelos Direitos Humanos.

    A invasão do Iraque e a Rede de Rapto, Tortura e Assassinato Guantánamo e Sucursais foram um desastre para o Ocidente e para os Direitos Humanos, criaram o Sadismo,

    foram um desastre para a Condição Humana, um estímulo à violência, à brutalidade e ao sadismo.

    quarta-feira, março 26, 2008


    Agora são os chineses que estão a ser referenciados como desrespeitadores dos Direitos Humanos.

    O que é a China?

    «A República Popular da China (RPC; em chinês, 中华人民共和国; em pinyin, Zhōnghuá Rénmín Gònghéguó) é o terceiro maior país do mundo em área (ou o quarto, dependendo de como se contabilizem algumas áreas disputadas com outros países) e o mais populoso do planeta, e ocupa uma parte considerável da Ásia oriental. Suas fronteiras ao Norte são com o Quirguistão, com o Cazaquistão, com a Mongólia e com a Rússia, a Leste com a Coreia do Norte, com o Mar Amarelo (do outro lado do qual se encontra a Coreia do Sul), com o Mar da China Oriental e com o Estreito de Taiwan, que a separa de Taiwan (país que reivindica), a Sul com o Mar da China Meridional, com o Vietname, com o Laos, com Myanmar, com a Índia, com o Butão e com o Nepal e a Oeste com o Paquistão, o Afeganistão e o Tadjiquistão.
    Com uma população de mais de 1,31 bilhão de habitantes (a maior do planeta), a RPC ocupa uma superfície de 9.640.821 km² (ou 9.676.801 km², se incluído o território de Taiwan, que a RPC reivindica). Sua capital é Pequim.
    O Partido Comunista da China (PCC) governa o país por meio de um sistema de partido único desde a fundação da RPC, em 1949. A RPC está envolvida numa longa controvérsia acerca do status político de Taiwan. O Kuomintang, partido rival do PCC durante a guerra civil chinesa, abandonou a China continental e recuou para Formosa e outras ilhas vizinhas após ser derrotado no conflito, em 1949, e reivindica ser o governo legítimo de toda a China e Mongólia, com o nome de República da China (embora o governo de Taiwan controle, de fato, apenas Formosa e ilhas menores adjacentes). A RPC considera a reivindicação da República da China ilegítima e reivindica, por sua vez, os territórios sob controle desta última.
    Devido a sua enorme população, o crescimento vertiginoso de sua economia, seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento, seus gastos militares e sua condição de Estado declaradamente detentor de armas nucleares, a RPC costuma ser considerada uma superpotência emergente. É a quarta maior economia do mundo (ou a segunda maior, pelo critério de paridade de poder de compra) e representa a China como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Desde 1978, o país implementa reformas para adotar, em alguma medida, uma economia de mercado, o que ajudou a tirar 400 milhões de pessoas da pobreza. Entretanto, o país enfrenta outros problemas econômicos, inclusive o rápido envelhecimento da população e uma crescente disparidade entre a renda urbana e a rural. A China desempenha um papel importante no comércio internacional, ao ser o maior consumidor mundial de aço e concreto (usa, respectivamente, um terço e mais da metade daqueles insumos) e o segundo maior importador de petróleo. É o terceiro maior importador do mundo e o segundo maior exportador, em termos globais.
    O país costuma ser referido como "China". A expressão "China continental" corresponde à RPC, embora costume excluir as duas regiões administrativas especiais de Hong Kong e Macau. O gentílico de "China" é chinês.»

    terça-feira, março 25, 2008


    A China não respeita os Direitos Humanos no Tibete. Os Estados Unidos e parte da União Europeia Invadiram e ocuparam o Iraque. Ninguém respeita os Direitos Humanos.

    A propósito da Rede de Rapto Tortura e Assassinato Guantánamo e Sucursais até a Suécia e a Noruega dos prémios Nobel e a Suiça da Conferência de Genebra se envolveram nesta violação sistemática dos Direitos Humanos.

    De bom há o facto de se falar nos Direitos Humanos. E se os Democratas ganharem as presidenciais nos Estados Unidos pode ser que os Direitos Humanos passem a ser respeitados pelos países da NATO.

    «O Tibete é hoje uma província incorporada à República Popular da China, considerada por esta como "região autônoma". Possui uma área de aproximadamente 1,2 milhão de quilômetros quadrados (com uma pequena parte, ainda a ser definida, de controle e domínio da Índia). Taiwan (República da China) também reivindica o domínio total da região.
    Sobre a questão da soberania tibetana, o governo da República Popular da China e o governo do Tibete em exílio discordam quanto à legitimidade de sua incorporação pela China.
    A UNESCO e a Encyclopædia Britannica consideram o Tibete como parte da Ásia Central, enquanto outras organizações a vêem como parte do Sul Asiático.
    O rei Songtsän Gampo uniu muitas partes da região durante o século VII. A partir do século XVII, os dalai lamas, conhecidos como chefes espirituais da região, têm sido os chefes administrativos do Tibete centralizado. Na religião tibetana os dalai lamas são tidos como emanações de Avalokiteśvara ("Chenrezig" [spyan ras gzigs] em tibetano), o bodhisattva da compaixão.
    Entre o século XVII e o ano de 1959 o Dalai Lama e seus regentes serviram como principais autoridades da província, tanto na política como na religião, dirigindo-a a partir de sua tradicional capital, Lhasa.
    Conhecido como o "teto do mundo" por seus picos nevados, as montanhas do Tibete têm, em média, 4.875 metros, com destaque para a Cordilheira do Himalaia.»

    segunda-feira, março 24, 2008


    domingo, março 23, 2008


    sábado, março 22, 2008


    «A cada momento do desespero se contrai o desespero». (Kierkegaard in «Desespero a Doença Mortal», pág. 17, Ed. Rés, Porto).

    Os neoconservadores levaram para o Iraque o caos e o desespero humano.

    A esperança para este inferno está na vitória dos Democratas nas eleições presidenciais dos Estados Unidos.

    sexta-feira, março 21, 2008




    quinta-feira, março 20, 2008


    A Páscoa para os crentes é tempo de Ressurreição, de uma esperança ilimitada.
    Na vida terrena a Racionalidade ao serviço da Ética perde terreno. Os neoconservadores querem guerra, os neoliberais querem maximizar as desigualdades e a opressão do quotidiano laboral.
    Os neoconservadores gabam-se de um morticínio de mais de um milhão de pessoas no Iraque…
    «Podem-se distinguir abstractamente as diversas personificações do desespero», escreveu Kierkegaard
    neste livro:

    Os neoconservadores e seus aliados têm andado a semear o desespero pela sua época.

    quarta-feira, março 19, 2008


    Vivemos em plena Crise da Racionalidade Ética.
    A Guerra do Iraque e a Rede Guantánamo e Sucursais são uma prova disso.
    O neoliberalismo é uma doutrina segregacionista, à procura da imposição da Moral dos Escravos.
    Em termos sociais o neoliberalismo è caracterizado pela deificação da alta burguesia e por um violento ataque às classes médias e às menos favorecidas.

    terça-feira, março 18, 2008


    A condição humana tem muitas limitações.

    O século XXI é uma época de coexistência das religiões com o agnosticismo e com o ateísmo.

    O que se pretende á a fraternidade do possível.

    O que é a Páscoa?

    «A Páscoa (do hebraico Pessach, significando passagem) é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa da cristandade. Na Páscoa os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo (Vitória sobre a morte) depois da sua morte por crucificação (ver Sexta-Feira Santa) que teria ocorrido nesta altura do ano em 30 ou 33 d.C. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses a partir desta data até ao Pentecostes.
    Os eventos da Páscoa teriam ocorrido durante o Pessach, data em que os judeus comemoram a libertação e fuga de seu povo escravizado no Egipto (Portugal, África e Timor) Egito (Brasil).
    A palavra Páscoa advém, exatamente do nome em hebraico da festa judaica à qual a Páscoa cristã está intimamente ligada, não só pelo sentido simbólico de “passagem”, comum às celebrações pagãs (passagem do inverno para a primavera) e judaicas (da escravatura no Egito para a liberdade na Terra prometida), mas também pela posição da Páscoa no calendário, segundo os cálculos que se indicam a seguir.
    A última ceia partilhada por Jesus e pelos discípulos é considerada, geralmente, um “seder do pesach” – a refeição ritual que acompanha a festividade judaica, se nos atermos à cronologia proposta pelos Evangelhos sinópticos. O Evangelho de João propõe uma cronologia distinta, ao situar a morte de Cristo por altura da hecatombe dos cordeiros do Pesach. Assim, a última ceia teria ocorrido um pouco antes desta festividade.
    Os termos "Easter" (Ishtar) e "Ostern" (em inglês e alemão, respectivamente) parecem não ter qualquer relação etimológica com o Pesach(páscoa). As hipóteses mais aceitas relacionam os termos com Eostremonat, nome de um antigo mês germânico, ou de Eostre, uma deusa germânica relacionada com a primavera que era homenageada todos os anos, no mês de Eostremonat, de acordo com o historiador inglês do século VII, Beda.»
    «Origem dos Símbolos da Páscoa
    É sugerido por alguns historiadores que muitos dos atuais símbolos ligados à Páscoa (especialmente os ovos de chocolate, ovos coloridos e o coelhinho da Páscoa) são resquícios culturais da festividade de primavera em honra de Eostre que, depois, foram assimilados às celebrações cristãs do Pessach, depois da cristianização dos pagãos germânicos. Contudo, já os persas, romanos, judeus e armênios tinham o hábito de oferecer e receber ovos coloridos por esta época.
    Ishtar tinha alguns rituais de caráter sexual, uma vez que era a deusa da fertilidade, outros rituais tinham a ver com libações e outras ofertas corporais.
    Um ritual importante ocorria no equinócio da primavera, onde os participantes pintavam e decoravam ovos (símbolo da fertilidade) e os escondiam e enterravam em tocas nos campos. Este ritual foi adaptado pela Igreja Católica no principio do 1º milênio depois de Cristo, fundindo-a com outra festa popular da altura chamada de Páscoa. Mesmo assim, o ritual da decoração dos ovos de Páscoa mantém-se um pouco por todo o mundo nesta festa, quando ocorre o equinócio da primavera.»

    segunda-feira, março 17, 2008


    domingo, março 16, 2008



    1) O neoliberalismo socialmente reflecte o pensamento da alta burguesia
    2) Considera os assalariados vítimas, que devem endeusar a alta burguesia
    3) Baseia-se em dogmas
    4) O dogma principal é a insegurança existencial dos assalariados
    5) Para a insegurança laboral inventaram uma série de procedimentos que visam inferiorizar os assalariados
    6) Avaliar os assalariados é algo banal, se for a avaliação correcta, e não a avaliação neoliberal, com base no conceito moral dos escravos.
    7) Servir-se da avaliação como uma ameaça é algo de muito errado, é a avaliação neoliberal.
    8) A BUROCRACIA NEOLIBERAL é uma ameaça permanente sobre os assalariados. O objectivo é que cada assalariado se sinta ameaçado. Chamam a essa ameaça ‘modernização’!
    9) A segurança existencial é no neoliberalismo exclusiva da alta burguesia, que é uma pequena minoria
    10) Quando os neoliberais falam em avaliação falam em punição, em avaliação punitiva, em tentativa de imposição da moral dos escravos
    11) Os governos são avaliados nas eleições, e durante cada mandato, e devem respeitar as promessas eleitorais. Os neoliberais procuram influenciar os governos chamando ‘reformas’ às suas ideias.
    12) O neoliberalismo apresenta a moral dos escravos como uma exigência do nosso tempo, como uma fatalidade do nosso tempo para sobreviver. Ora, a moral dos escravos é contra o progresso social.

    sábado, março 15, 2008


    A imagem positiva deixada por António Guterres é que deu a maioria absoluta
    ao PS.

    José Sócrates foi ministro de António Guterres.

    As coisas positivas que o PS tem feito como diminuir o défice orçamental eram de esperar. O que não era de esperar foi a viragem à Direita de José Sócrates, com medidas neoliberais-punitivas dos assalariados.
    Por outro lado o PS é muito mais que José Sócrates, e tem uma tradição de defesa da Liberdade de Expressão e de Diálogo com os sindicatos.

    «O Partido Socialista (PS) português foi fundado em 19 de Abril de 1973 na cidade alemã de Bad Münstereifel, por militantes da Acção Socialista Portuguesa. O PS é caracterizado por duas correntes ideológicas principais, a Social-democracia e o Trabalhismo, após a Revolução dos Cravos, o PS ganhou as Eleições Constitucionais de 1975 e as legislativas de 1976, perdendo a seguir para a AD em 1979, fez aliança eleitoral em 1980 a FRS Frente Republicana e Socialista com a ASDI liderada por Sousa Franco e a UEDS liderada por Lopes Cardoso. Voltou a vencer as eleições em 1983 e coligou-se com o PSD de Mota Pinto no chamado Bloco Central, BC governo esse que preparou a entrada de Portugal na CEE. Em 1985 o BC desfaz-se e o PS perde as eleições na altura liderado por Almeida Santos. Cavaco Silva do PSD vence as eleições e volta a vencer em 1987 contra o Vitor Constâncio e 1991 contra Jorge Sampaio, sendo estas duas com maioria absoluta. Só em 1995 o PS então liderado pelo Engenheiro António Guterres vence com maioria relativa feito esse que volta a acontecer em 1999. Renunciando ao cargo de Primeiro-Ministro as eleições dão a vitoria ao PSD em 2001, e depois de uma grave crise económica e de falta de liderança no governo e no PSD as eleições de 2005 dão vitória ao PS liderado pelo Engenheiro José Sócrates com ampla maioria absoluta, sendo a primeira do PS desde o 25 de Abril.
    Desde a revolução ocorrida em 25 de Abril de 1974 fez várias vezes parte do governo e dois dos seus militantes (Mário Soares e Jorge Sampaio) foram eleitos Presidentes da República.
    É membro da Internacional Socialista e do Partido Socialista Europeu. A organização de jovens do Partido Socialista português chama-se Juventude Socialista.»

    sexta-feira, março 14, 2008


    A SEDES afirmou, muito acertadamente, que havia uma insatisfação social acentuada em Portugal.
    A greve da Função Pública, de hoje, é mais uma manifestação de descontentamento.
    Esse descontentamento atinge muita gente que votou no PS.
    Este desconforto que é votar num partido, que faz coisas, que não se enquadram na Ética Socialista é altamente frustrante para muito eleitorado do PS.
    Os funcionários públicos que votaram no PS estão muito desiludidos.
    A principal razão da desilusão é o neoliberalismo, enquanto Filosofia da Moda.
    O neoliberalismo tem por objectivo causar insegurança nos assalariados, mal-estar.
    Insegurança, desconforto, ansiedade, precaridade, opressão, desestabilização. Nas mulheres estas palavras traduzem-se em diminuição da natalidade. A natalidade está associada, nos países desenvolvidos, à segurança laboral. A insegurança laboral gera medo do futuro. As mulheres atingidas pela insegurança neoliberal não têm estabilidade para cuidar dos filhos.
    Os dogmas da desestabilização e da insegurança laboral neoliberal são apresentados como muito bons, mas são muito maus.
    E assim vai o nosso tempo.
    Se a Humanidade mudar para melhor, daqui por mil anos não dirão bem da insegurança neoliberal.

    quinta-feira, março 13, 2008



    Entre os democratas está difícil a decisão sobre a candidatura a apresentar às presidenciais dos Estados Unidos.
    Muita gente deposita grandes esperanças quer em Barack Obama quer em Hillary Clinton.
    Este tema desperta cada vez mais interesse. Qualquer deles pode vencer o republicano McCain.

    O Mundo precisa de mais Racionalidade Ética, de mais humanismo.

    quarta-feira, março 12, 2008


    Era suposto pensar que a Liberdade é para se viver melhor, e não para o poder CASTIGAR OS ELEITORES, como acontece com os professores, em nome da OBSESSÃO NEOLIBERAL.


    terça-feira, março 11, 2008


    Em Democracia é essencial a Liberdade e a realização de eleições.

    Mas também é preciso que o governo dialogue com a sociedade, nomeadamente com os sindicatos.

    A vida tem que ter esperança em dias melhores e não em dias piores.

    segunda-feira, março 10, 2008


    A União Europeia irá mudar se os democratas vencerem a Presidência dos Estados Unidos.
    Muita coisa terá que mudar.
    Zapatero decidiu sair do Iraque e saiu mesmo.
    Zapatero emerge como o politico socialista no poder, na Europa, mais coerente.

    «José Luis Rodríguez Zapatero (Valladolid, 4 de agosto de 1960) é um político e professor espanhol. Tornou-se o quinto presidente do governo espanhol desde a restauração democrática em 1978. Zapatero veio ao poder seguido de sua vitória nas eleições gerais da Espanha em 14 de março. Ele foi oficialmente reconhecido pelo rei Juan Carlos I em 17 de abril de 2004. Ele vinha sendo secretário geral do Partido dos Trabalhadores Socialistas espanhol (PSOE) desde 2000.Algumas das principais medidas de seu governo foram: a retirada das tropas espanholas do Iraque, o envio de tropas ao Afeganistão e a articulação pela formação da “Aliança de Civilizações”, a legalização do matrimônio entre homossexuais e uma nova regulamentação para os imigrantes, o início do “processo de paz com o ETA”, a lei “antitabaco” e a reforma de “Estatutos de Autonomia”, como o a Catalunha.»

    «Infância e juventude (1960–1986)
    Rodríguez Zapatero nasceu em Valladolid, Castela e Leão em 4 de agosto de 1960, onde sua família é natural de Leão. Seu pai, Juan Rodríguez García-Lozano, é advogado e sua mãe Purificación Zapatero, morreu em outubro de 2000. Seu avô paterno Juan Rodríguez Lozano, capitão republicano, foi executado pelos nacionalistas, em 18 de agosto de 1936 durante a Guerra Civil Espanhola, por se negar a participar do subjugo de Leão.
    Rodríguez Zapatero cresceu em Leão. Estudou o primário no Colégio Discípulas de Jesús de León (1966–1970); O Fundamental e o Ensino Médio no colégio privado Leonés (1970–1977). Filiou-se ao PSOE pouco depois de completar a maior idade, em 1979. Estudou Direito na Universidade de Leão, obtendo seu diploma em 1982. Depois de diplomar-se, Zapatero foi contratado como professor adjunto de Direito Constitucional na mesma universidade (1982–1986).»

    «Início de sua carreira política (1986–2000)
    Em 1986 obteve uma vaga no congresso pela província de Leão, se tornando o deputado mais jovem da câmara, permanecendo até recentemente como representante eleito. As sucessivas prorrogações do serviço militar obrigatório, por razões de estudo, terminaram por livrar Zapatero deste, já que se tornou deputado. Em 1989, Zapatero foi designado secretario geral da Federação Socialista Leonesa (FSL), em Leão, depois de uma complexa luta interna que resultou em um longo período de disputas internas, especialmente com os “guerristas” da comarca de Lanciana, que suscitou no que se chamou de pacto de “la mantecada”, assinado no Hotel Gaudí na cidade leonesa de Astorga. Foi um golpe de mestre que levou Zapatero a comandar a secretaria provincial leonesa, graças ao apoio da corrente encabeçada por Daniel García e os representantes locais de Ponferrada, Conrado Alonso Buitrón, e de Villablino, Pedro Fernández.
    Em 27 de janeiro 1990, Zapatero se casou com Sonsoles Espinosa Díaz, filha de um militar (Rafael Espinosa Armendáriz). Sonsoles estudou Direito, é cantora de música clássica e é professora de música. Zapatero tem duas filhas. Sua família preza muito por sua intimidade e evita aparecer nos meios de comunicação.»

    domingo, março 09, 2008


    Falta saber se terá ou não maioria absoluta.

    Zapatero é, actualmente, uma referência na Esquerda Europeia,

    ao contrário de José Sócrates que tenta substituir a Direita, desprezando os sindicatos e o diálogo social-laboral.

    sábado, março 08, 2008



    Cerca de 100 mil professores de um conjunto de cerca de 143 mil manifestaram-se contra a política do governo.

    É paradoxal constatar que as medidas dogmáticas neoliberais aplicadas ao ensino sejam de carácter punitivo, num governo que se diz socialista.
    Os professores são uma classe instruída e perceberam bem quanto estavam a ser lesados.
    Foi a maior manifestação laboral sectorial desde que Portugal existe.

    sexta-feira, março 07, 2008


    1) Por trás de qualquer avaliação está uma ideologia
    2) Por trás de qualquer avaliação está uma Filosofia de Vida
    3) Estão na moda as ideologias punitivas – sádicas que são o neoconservadorismo e o neoliberalismo
    4) A Filosofia de Vida do neoliberalismo europeu á a infelicidade, é o sofrimento
    5) A avaliação dos professores baseia-se em DOGMAS PUNITIVOS, de inspiração neoliberal
    6) O problema não é a avaliação, mas sim o modelo da avaliação.


    Cavaco SILVA e Lula da SILVA podem ter um antepassado remoto comum.

    «Lula e Cavaco participam das cerimônias dos 200 anos da chegada da corte portuguesa

    Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, participam nesta sexta-feira (07) e sábado (08) das cerimônias de comemoração dos 200 anos da chegada da família real portuguesa ao Brasil, no Rio. A corte portuguesa chegou ao Rio em 7 março de 1808, mas só desembarcou no dia seguinte.
    De acordo com o porta-voz da presidência, Marcelo Baumbach, os dois presidentes participam hoje à noite do lançamento da medalha comemorativa dos 200 anos da transferência da corte portuguesa para o Brasil, no Museu Nacional. Eles também vão abrir a exposição intitulada "Um novo mundo, um novo império. A corte portuguesa no Brasil".
    Segundo Baumbach, Brasil e Portugal assumiram o compromisso de "dar relevo a efeméride" "em reconhecimento ao marco histórico que representou a chegada do príncipe regente dom João 6º ao Brasil, em 1808. "As comemorações traduzem o orgulho do povo brasileiro de suas raízes e do laço familiar indissolúvel que o une ao povo português, com o qual compartilha história, língua e visão de mundo", disse o porta-voz.
    À noite, Lula oferecerá um jantar a Cavaco no Palácio das Laranjeiras. Amanhã, Lula e Cavaco visitarão o Real Gabinete Português de Leitura. "O Real Gabinete, fundado em 1837, tem acervo de 400 mil livros, inteiramente informatizados, e é a maior biblioteca de autores portugueses fora de Portugal", disse Baumbach.
    "O principal foco da visita é emprestar o maior prestígio, no nível mais alto, às comemorações dos 200 anos, dada a importância desse fato na história dos dois países", disse o porta-voz.»
    (In «Folha de S. Paulo»)

    quinta-feira, março 06, 2008


    1) O Médio-Oriente está um caos humano.

    2) O Iraque continua no caos

    3) O conflito entre judeus e palestinianos agrava-se

    4) A PAZ prometida por George W Bush não se vê.

    5) As esperanças de muita gente viram-se para Hillary Clinton e para Barack Obama. Ainda é cedo para saber quem será o candidato democrata ou se virá a haver um acordo entre ambos.

    quarta-feira, março 05, 2008


    1) Muitos dos professores votaram no Partido Socialista

    2) Muitos desses professores são professores socialistas

    3) Alguns professores socialistas estão inscritos no PS

    4) A maior parte dos professores socialistas não estão inscritos em nenhum partido

    5) Muitos livres-pensadores com ideias socialistas votaram no PS

    6) Muitos dos professores que se manifestam contra José Sócrates votaram no PS

    7) José Sócrates está a governar contra a maior parte dos professores que votaram no PS



    «McCain garante nomeação republicana; Hillary vence no Texas e Ohio

    O senador pelo Arizona John McCain conseguiu a nomeação presidencial na terça-feira (4) com quatro vitórias que fizeram seu rival, o ex-governador de Arkansas, Mike Huckabee, desistir da corrida. Do lado democrata, Hillary Clinton venceu seu rival, Barack Obama, no Texas, Ohio e Rhode Island, sendo as duas primeiras consideradas vitais para a ex-primeira-dama manter-se na disputa pela candidatura à Presidência.

    As vitórias quatro vitórias de McCain --em Vermont, Ohio, Texas e Rhode Island-- garantiram ao senador pelo Arizona número superior aos 1.191 delegados necessários para levar a nomeação. Segundo a CNN, com as vitórias desta terça, o veterano da Guerra do Vietnã conseguiu atingir a marca de 1.205 delegados. O presidente George W. Bush deve apoiar a candidatura de McCain na Casa Branca amanhã.

    "Estou muito satisfeito de perceber, meus amigos, que conseguimos ganhar o número suficiente de delegados para dizer com confiança, humildade e um senso de grande responsabilidade que serei o nomeado republicano à Presidência dos Estados Unidos", disse o republicano a simpatizantes em Dallas, Texas.

    "A disputa começa esta noite", afirmou, já fazendo um discurso voltado para a campanha presidencial. Em ataques indiretos aos democratas, McCain falou sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão, economia e o sistema de saúde dos EUA.

    "Defenderei a decisão de destruir o regime de Saddam Hussein [ditador iraquiano deposto pelos EUA em 2003]", disse o republicano. Os pré-candidatos democratas Hillary Clinton e Barack Obama defendem a retirada das tropas do Iraque, proposta criticada por McCain. "Os EUA sabem que o próximo presidente não pode refazer essa decisão, nós estamos no Iraque."

    Apesar de ultrapassar a marca dos 1.191 delegados, os republicanos não irão nomear McCain oficialmente antes do início de setembro, quando o partido realiza sua convenção nacional em Minneapolis-St. Paul.

    Após várias vitórias pelo país, McCain chegou a esta terça precisando de apenas 144 delegados. O veterano de guerra levou todos os 17 delegados em jogo em Vermont, ao menos 69 no Texas, 58 em Ohio e nove em Rhode Island, de acordo com a Associated Press.


    Hillary venceu a primária no Estado do Texas em uma acirrada disputa com seu rival, Barack Obama, segundo projeções da rede CNN. O resultado do Texas deu à ex-primeira-dama sua terceira vitória nas votações realizadas na terça, após vencer as disputas de Rhode Island e Ohio.

    Com 75% das urnas apuradas, Hillary obteve 51% dos votos texanos, enquanto Obama conseguiu 48%. As vitórias da ex-primeira-dama no Texas e em Ohio eram vistas como vitais para para Hillary manter-se na disputa pela candidatura à Presidência. Dos 370 delegados democratas em jogo na terça, 334 serão garantidos pelos dois Estados

    Até a terça, Obama havia conseguido 11 vitórias consecutivas, chegando à décima segunda ao ganhar em Vermont. No entanto, Hillary interrompeu a seqüencia de Obama ao ganhar em Rhode Island.

    "Para todos aqueles que tropeçaram mas depois se levantaram, e para todos aqueles que trabalham e nunca desistem, essa é para vocês", disse a ex-primeira-dama após ter a primeira vitória importante da noite, em Ohio.

    De acordo com a rede CNN, Obama tem até o momento 1.424 delegados, enquanto Hillary conseguiu 1.341. Um dois dois pré-candidatos precisa atingir no mínimo 2.025 delegados para garantir a nomeação do partido.

    "Sabemos o seguinte: não importa o que acontecer nesta noite (de terça-feira), teremos praticamente a mesma liderança em número de delegados que tínhamos nesta manhã e estamos no nosso caminho para garantir essa nomeação", disse Obama a simpatizantes em San Antonio, no Texas, após ter ver sua seqüência de vitórias ser interrompida por Hillary.»

    (In «Folha de S. Paulo»)

    terça-feira, março 04, 2008


    1) O neoliberalismo fomente a conflitualidade laboral entre assalariados e entidades patronais privadas ou públicas, e entre os próprios assalariados uns contra os outros devido à pressão neoliberal.

    2) Medvedev ganhou as eleições presidenciais na Rússia, contra candidatos em desigualdade de circunstâncias. Estranha a Civilização russa. O marxismo-leninismo implodiu e foi substituído por um capitalismo oligárquico-feudal, com doações de empresas pelo regime de Ieltsin. Putin, agora, primeiro-ministro, luta contra os oligarcas feudais e parece querer instaurar um capitalismo civilizado para substituir o capitalismo feudal e selvagem.

    3) Na Espanha Há eleições domingo e as sondagens apontam para uma vitória do socialista Rodriguez Zapatero.

    4) Entre os Democratas dá-se como provável uma vitória de Barack Obama, considerando as informações da Internet. A diferença horária deixa-nos em suspense.

    segunda-feira, março 03, 2008


    Esperamos que Barack Obama acabe com isto:



    domingo, março 02, 2008


    Em Portugal campeia a Central da Impostura «Jornal Expresso».

    «Numa peregrinação através de muitas morais (…) se me revelaram dois tipos básicos e se destacou uma diferença fundamental. Há a moral dos senhores e a MORAL DOS ESCRAVOS.» (Friedrich Nietzsche in «Para Além do Bem e do Mal», Ed. Guimarães Editores, Lisboa, 2004, pág. 188)

    Ora, como já aqui foi dito o Neoiberalismo é muito mais danoso para a espécie humana do que o tabaco.
    Vamos analisar afirmações do ex-deputado pelo PSD Vasco Pulido Valente sobre a situação actual em Portugal.
    Primeiro vamos ver uma definição exemplificada do que é uma Central da Impostura.

    «Pensem bem

    Nunca vi o Expresso defender uma causa com tanto zelo.

    Ontem, a manchete proclamava”Durão 1- RTP 0” e, por baixo, zunia – em grande destaque – a seguinte ementa:
    “Indemnização de Rangel é de 147 mil contos” (...por azar?) “ilíquidos”, “SIC processa antigo director geral”, “Carrilho pede intervenção do Presidente da República” e “O PS reforma Arons de Carvalho”.

    Também na primeira página vinha um editorial – “O fim do saque à RTP?” – em que se “aplaudia o governo e se recomendava silêncio e “pudor” à oposição.

    Na quarta página, Fernando Madrinha apoiava a política de Morais Sarmento e, de caminho, ia lamentando que desde quinta-feira o Telejornal abrisse com as manifestações dos trabalhadores da casa, seguindo uma orientação “guerrilheira e umbiguista”.

    Na página seis, com a história do despedimento da administração da RTP (informada e neutra), aparecia o interessante currículo de um dos sucessores, Luís Marques, o “único com carreira nacomunicação social, jornalista, actual colunista do Expresso” e “ex-subdirector de Informação da SIC, de onde saiu há um ano, por discordâncias com Rangel”.

    Na página sete, continuava a dança, com três notícias triunfais: “Rangel pode ficar sem nada”; Rangel não conseguiu aumentar a audiência da RTP 1; e o Tribunal de Contas condena a gestão da televisão do Estado.

    Na habitual coluna do “sobe e desce”, Morais Sarmento estava evidentemente no “alto”, com suaves louvores, e Rangel no “baixo”, com uma descompostura em forma,

    como, de resto João Carlos Silva no “sobe e desce” do 2º caderno.

    Na página 13, Henrique Monteiro exigia o fim da publicidade na RTP.

    Na página 28, um segundo editorial tornava a defender a política de Morais Sarmento.

    E, na última, caso alguém não tivesse ainda percebido, José António Lima repetia o sermão.

    Que dizer disto?...»

    (Vasco Pulido Valente)

    Vejamos o que VPV pensa do PS e não só.

    «Sócrates tem um poder como não teve nenhum político português:» (Refere-se à III República, supomos) «reduziu o governo à menoridade, liquidou o partido, controla parte da imprensa e da televisão, ABSORVEU A DIREITA e tornou o PSD facultativo. Tirando Cavaco, e até esse com prudência, ninguém o limita. Ora isto que devia meter medo, só o favorece.»

    (In jornal «Público» de 13 de Jan. de 2008, pág. 48)

    Ora, em nosso entender, o poder actual na III República de Portugal baseia-se na exploração do conceito MORAL DOS ESCRAVOS, ideologicamente, extraído do Neoliberalismo.

    A seguir palavras de Vítor Dias do site «O Tempo das Cerejas»:

    «No mesmo dia, azar dos Távoras, em que na revista do Expresso, embora na rubrica humorística «Cartas Abertas» do «Comendador», Henrique Monteiro sentenciava que «já ninguém tem pelo comunismo senão a curiosidade que se tem por uma chávena da dinastia Ming», realizava-se em Lisboa, com expressivo e indiscutível êxito - traduzido na participação de cerca de 50.000 comunistas e outros democratas-, a Marcha pela Liberdade e pela Democracia assumidamente convocada e organizada pelo PCP, o que constituia uma iniciativa inédita e, por isso mesmo, arriscada e audaciosa.
    Numa altura e num tempo em que todos os dias não faltam as generalizações abusivas sobre «a crise dos partidos» sobre o fim da militância partidária e do enraizameto social dos partidos, o êxito desta marcha veio pôr os pontos que estavam a faltar nos is. Numa altura e num tempo em que, de forma cega e ligeira, se proclama que «não há oposição» no país só porque o PSD e o CDS sofrem o efeito da sua inconsistência e do roubo das suas bandeiras pelo PS, a marcha de hoje veio justamente lembrar que há uma oposição de esquerda determinada, corajosa e combativa.»
    Em nossa opinião, o PCP é o partido que mais luta contra a Moral dos Escravos, que querem impor aos assalariados.

    sábado, março 01, 2008


    A SEDES afirmou que há um grande mal-estar social em Portugal e há mesmo.

    (Bandeiras do PCP na Marinha Grande)

    Um Partido Parlamentar, o PCP, organizou uma manifestação de descontentamento, com cerca de 50 mil pessoas, em Lisboa. É sobretudo uma manifestação contra o neoliberalismo.

    Os professores são os mais fustigados pelo realinhamento das classes sociais, dentro da Função Pública.
    A perda de Direitos na Função Pública e no Sector Privado é geral, como uma Fatalidade.

    Os professores voltaram a sair à rua contra José Sócrates, em Viana do Castelo, no Porto e em Setúbal.